Eletrobras Eletronorte e Unitins promovem Seminário do Trabalho Decente em Palmas

Um dos dados alarmantes apresentados foi o lucro anual gerado pelo trabalho escravo que é de 150 milhões de dólares. Segundo a OIT, esse tipo de atividade só perde para o trafico de drogas e de armas

Palmas – A Eletrobras Eletronorte, por meio da Regional de Transmissão do Tocantins, em parceria com a Fundação Universidade do Tocantins – Unitins realizam nesta quarta-feira, 30, o Seminário de Promoção do Trabalho Decente e Erradicação do Trabalho Escravo.

O evento acontece na sede na Untins e foi aberto nesta manhã com presença da reitora da Unitins, Elizangela Glória Cardoso, das secretárias de Estado da Ação Social, Patrícia Rodrigues do Amaral, da Defesa e Proteção Social, Gleide Braga, da superintendente regional da Caixa Econômica Federal de Tocantins, Silvia Leandra Pelloso, e dos representantes da Eletrobras Eletronorte, o gerente regional do Tocantins, Carlos Humberto de Souza e Silva, e a gerente de Responsabilidade Social, Rosa Maria de Sousa, que representou o diretor-presidente da Empresa, Tito Cardoso De Oliveira Neto. Entre os convidados estão fornecedores da Eletrobras Eletronorte na Regional do Tocantins, representantes de entidades de classe e sociedade civil organizada.

Seminário do Trabalho Decente -30.09.15 - Vivianni Asevedo  (90)O Seminário acontece com a proposta de envolver todas essas entidades na causa do combate e erradicação do Trabalho Escravo. Além do Tocantins, a Eletronorte vem realizando seminários como esse em todas as suas unidades. “Queremos potencializar esse som do trabalho escravo nos nossos estados e no nosso país, e fazer com que as empresas sujas não cheguem até as nossas empresas”, afirmou Rosa referindo-se ao convite feito aos fornecedores para participarem do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo.

O gerente da Regional do Tocantins, Carlos Humberto, também ressaltou o compromisso da empresa nessa missão. “O trabalho escravo infelizmente ainda é uma realidade no Brasil e no Tocantins e nós, como empresa pública e comprometida com o respeito ao trabalho digno, temos o compromisso de contribuir para erradicação dessas condições de trabalho”.

Após a abertura do evento foi exibido um vídeo com depoimentos de trabalhadores que foram submetidos às condições de trabalho escravo. Também houve palestras da Organização Internacional do Trabalho – OIT, da Superintendência do Trabalho e Emprego, Ministério Publico do Trabalho e do Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo. Todas com focos diferentes do DSCN4781que é o trabalho escravo e o que vem sendo feito para o combate e enfrentamento.

Um dos dados alarmantes apresentados é que o trabalho forçado na economia privada gera lucros anuais ilegais de 150 bilhões de dólares, segundo a Organização Internacional do Trabalho, perdendo apenas para o tráfico de drogas e de armas.

Ao final das apresentações o Instituto InPacto apresentou o programa e todos foram convidados a assinarem simbolicamente a adesão ao Pacto Nacional. Além disso, a programação inclui uma mesa de dialogo sobre o Trabalho Decente no Tocantins e formação de grupos de trabalho nos eixos: combate ao trabalho escravo, combate ao trabalho infantil e promoção e saúde do trabalhador.

As propostas apresentadas pelos grupos irão compor a Agenda Tocantins do Trabalho Decente.

Agência Eletronorte, por Tamyra Pinheiro

Sem comentários