Em Rondônia, equipes da Eletronorte arrecadam 450 livros para o presídio feminino

Colaboradores da Regional de Transmissão de Rondônia fizeram a doação de 450 livros para a Penitenciária Feminina de Porto Velho – Penfem, que atualmente agrega 140 mulheres. Cerca de 80% das presas da unidade cumprem pena por tráfico de drogas e os outros 20%  estão divididos entre furto, homicídio e pequenos delitos.

Os livros foram arrecadados durante uma campanha na Empresa com a adesão expressiva da força de trabalho da Regional. Os volumes doados reforçarão o projeto de incentivo à leitura existente na unidade. A biblioteca com o nome de Salete Vergani, em homenagem a ex- diretora do presídio, deu início às atividades após o Conselho Nacional de Justiça – CNJ recomendar que todos os Estados aderissem a Portaria 44/2013 que garante a remição de pena através da leitura. “Tivemos um período para nos organizar. Inicialmente a Universidade Federal de Rondônia nos apoiou e contamos ainda, com a ajuda de alguns parceiros. Até o momento tínhamos 450 livros. A Eletrobras Eletronorte por meio de seus funcionários está doando mais 450, ou seja, o nosso acervo vai para 900 volumes”, informou a Diretora Administrativa da Penfem, Cristiane Garcia.

a2“A Eletrobras Eletronorte contribui com essa ação por meio da boa vontade da força de trabalho, que entende o quanto é importante incentivar a ressocialização dessas mulheres. Muitas delas são mães e precisam do apoio para retornar à sociedade e seguir a vida após o cumprimento de pena”, disse o gerente da Regional, Robinson Percy Holder.

Mirts Silva Ribeiro, 29 anos, que está no sistema prisional há nove anos, falou sobre a ação voluntária que beneficia a comunidade prisional e do significados do projeto para quem está encarcerada. “Além de dar apoio na questão de crescimento intelectual, possibilitará a diminuição de nossa pena, o que é extramente incentivador. É muito bom saber que uma Empresa como a Eletrobras Eletronorte  tem a iniciativa de ajudar as mulheres que estão na Penfem”.

“Concretizar essa ação só foi possível graças a boa vontade de nossos colegas de trabalho que abraçaram a causa de forma generosa. Nossos agradecimentos a todos pelo apoio”, disse o coordenador de Responsabilidade Social, Orlando Francisco de Souza.

Como funciona 

A remição pela leitura assegura, entre outros critérios, que a participação seja voluntária. Segundo a norma, a detenta deve ter o prazo de 22 a 30 dias para a leitura de uma obra, apresentando ao final do período uma resenha a respeito do assunto. Após o trabalho avaliado por uma comissão formada por professores da Secretaria Estadual de Educação – Seduc, a Direção da Penfem protocola o trabalho da presa junto ao Tribunal de Justiça, na Vara de Execuções Penais. Cada obra lida possibilita a remição de quatro dias de pena, com o limite de doze obras por ano, ou seja, no máximo 48 dias de remição por leitura a cada ano.

Agência Eletronorte, por Tereza Pantoja/Porto Velho

Sem comentários