Com trabalhos de complexidade, Regional do Maranhão parte rumo à VI Seci

O VI Painel Interno de Melhorias (PIM) da Regional do Maranhão, iniciado dia 25 de julho com a Divisão de Imperatriz por videoconferência, encerrou-se na semana passada com apresentações presenciais dos trabalhos das unidades de São Luís I e Presidente Dutra. Dos 27 trabalhos inscritos, oito se classificaram para a  VI Semana Eletronorte do Conhecimento e Inovação (Seci) que acontecerá em novembro próximo em Brasília.

Na ocasião, ao parabenizar os participantes da competição, o gerente Sérgio Abreu fez questão de expressar seu agradecimento a todos aqueles  que se dispuseram e se motivaram para o VI Painel.   Na sua opinião,  o fato de alguns trabalhos não terem se classificado para a VI Seci  não significa que não sejam de ótimo nível e importância. Ele ensina: “Não existem trabalho simples,   pois cada um passa por um processo de desafio, todo trabalho é relevante e precisa ser pensado e executado”.

Complementando seu raciocínio, Sérgio Abreu falou dos trabalhos apresentados no VI PIM maranhense. Segundo ele, foram pensados e criados com muita competência técnica e demonstram desafios, dedicação e comprometimento com a Eletronorte. – Precisamos cada vez mais replicar o que fazemos dentro da própria área, na Regional e na Eletronorte como um todo. As equipes envolvidas nos processos, sejam elas da linha de frente sejam dos bastidores, têm fundamental importância para o Painel. Aliás, gostaria de ratificar ainda a implantação do Programa Gol de Placa,  que consiste em conferir uma placa a ser colocada ao lado de cada melhoria, a fim de que todos conheçam o aperfeiçoamento feito naquele processo, disse.

Os trabalhos do Maranhão que irão concorrer na VI Seci são:

 1º lugar – Instrumento portátil para aferição de diversos tipos de densímetros, de Jessé Lima de Assunção, Moisés Antônio Soares e Rui Braga.

2º lugar – Dispositivo de controle de vegetação, controlado por radiofrequência nos pátios energizados dos compensadores estáticos 01 e 02, de Mário Celso Gonçalves Cavaignac.

3º lugar – Subestações teleassistidas: não se pode tratar os diferentes de forma igual. de Bruno Gomes Gerude, Ricardo Cardoso de Sousa, José Eduardo Cavalcante Filho, Carlos Eduardo de Sousa Barros, José Augusto Ferreira de Araújo, Osvaldo Santos Filho, Rafael Antonio dos Santos Fernandes Filho, Raniere Vasconcelos Brito, Evandro Pinto de Oliveira,  Paulo Roberto Alves Silva, José Maria de Miranda Mesquita, José Henrique de Oliveira Costa e  Ives da Silva Feitosa;  8º lugar – Lubrificação remota de chaves seccionadoras: o caminho para falha zero (autores: José Eduardo Cavalcante Filho, Bruno Gomes Gerude, Evandro Pinto de Oliveira Filho, Pedro Batalha Gonçalves, Valter Diniz Barros, Ives da Silva Feitosa, Luiz César Serra Penha e Paulo Roberto Alves Silva).

4º lugar – Descentralização da supervisão: o caminho que deu certo na prevenção de ocorrências nas instalações, de  Newton Teixeira do Nascimento Júnior, Bruno Gomes Gerude, José Eduardo Cavalcante Filho e Paulo Roberto Alves Silva.

 5º lugar – Sistemática para mitigação dos efeitos de corrente de fuga em dielétricos de linhas de transmissão e subestações, da Equipe de Linhas de Transmissão (OTLMU).

6º lugar – Instalação de reforço na base de MICROSWITCH FIM DE CURSO de carregamento de mola do  RGDJ6-01, de Jailson Teixeira Medeiros, Clovis Marques Dias e Pedro Honorato Barbosa.

 7º lugar – Melhorias com alteração de projeto no compressor J.P.Sauer do sistema de acionamento pneumático dos disjuntores Magrini Galileo 230KV nas subestações de Presidente  Dutra e Peritoró, de  Carlos Luiz Rodrigues Costa, Marcos Feitosa da Silva e Paulo Freitas Oliveira.

8º lugar – Lubrificação remota de chaves seccionadoras: o caminho para falha zero, de  José Eduardo Cavalcante Filho, Bruno Gomes Gerude, Evandro Pinto de Oliveira Filho, Pedro Batalha Gonçalves, Valter Diniz Barros, Ives da Silva Feitosa, Luiz César Serra Penha e Paulo Roberto Alves Silva.

Agência Eletronorte/Maranhão

 

Sem comentários