No Amapá, campanha contra queimadas promove conscientização ambiental

Centenas de estudantes, professores, pedagogos, funcionários e gestores de vinte e uma escolas de cinco municípios do interior do Amapá, cinco da zona urbana de Macapá e uma de Santana participaram diretamente da Campanha de Prevenção e Combate a Queimadas nos meses de agosto e setembro de 2017.

O trabalho de campo conta com o material da campanha institucional. Realizada pela Eletrobras Eletronorte há mais de 20 anos, a edição deste ano trouxe o tema “Quem tem consciência não queima. Acenda essa atitude” e foi divulgada por meio de vts e jingles nas principais redes de televisão e rádios dos estados da Amazônia Legal, com os objetivos de reduzir a incidência de queimadas e sensibilizar e educar a população quanto aos males que as queimadas provocam.

No Amapá, a campanha foi realizada por técnicos das Divisões de Ações Ambientais Geração (OGGAA) e de Transmissão (OTLAC), e do Procel Educacional (Programa de Conservação de Energia) da Regional de Operação do Amapá (OTLA). Além de palestras, mostra de vídeos, demonstração de maquete, interação com estudantes e professores também foram distribuídos materiais educativos e promocionais como cartilhas, cartazes, bonés e camisas.

O operador e coordenador do Procel na Regional do Amapá, Cláudio Souza Góes, há quase 20 anos participa da campanha contra as queimadas e é um dos principais palestrantes nas escolas. “O foco principal é a conscientização sobre a necessidade do combate e prevenção às queimadas que aumentam nesse período de estiagem, chamado de verão amazônico”, ressalta o palestrante.  A equipe técnica da OGGAA apoia ações voltadas para a sensibilização ambiental em toda e qualquer temática que envolva os empreendimentos da Eletrobras Eletronorte. São pessoas que se dispõem a fazer o trabalho com dedicação e que, inclusive, providenciam toda a  logística da atividade, e que acreditam  no poder do trabalho do agente transformador em favor de um ambiente mais saudável para as futuras gerações.

Segundo o palestrante, no início a campanha estava mais voltada para a área rural e hoje está muito latente na área urbana, onde há subestações que estão muro com muro de escolas. Em Macapá, por exemplo, a Subestação Equatorial está bem perto da Escola Estadual Nanci Nina da Costa, na zona sul da Capital, na entrada do bairro Zerão, onde foram realizadas ações da campanha sobre queimadas e preservação ambiental.

Escolas são geradoras da energia do conhecimento

As ações da Campanha contra as Queimadas começaram pelo município de Ferreira Gomes, onde está instalada a Usina Hidrelétrica Coaracy Nunes (UHCN).  De 8 a 11 de agosto passado, as palestras foram feitas em escolas no centro da cidade, mas a equipe também subiu o bairro da Montanha para chegar até à Escola Municipal João Freire Cordeiro, onde se reuniu com mais de quinhentos alunos do ensino fundamental e médio.

As escolas municipais Nossa Senhora do Rosário, na comunidade rural da Terra Preta, a Coaracy Nunes, em Caldeirão, e a Escola Estadual Independência, na comunidade do Paredão, foram outras unidades de ensino de Ferreira Gomes que receberam material didático e orientações sobre como evitar queimadas e acidentes que possam causar a falta de energia elétrica, prejudicando toda a população.

De 21 a 25 de agosto, a comitiva da OTLA seguiu viagem para outras cidades e comunidades do interior do Amapá. A Escola Estadual José Ribamar Teixeira, no bairro Malvinas de Porto Grande,  reuniu alunos, corpo técnico e equipe de apoio. Constatou-se que no município do Amapá um bom público participou da ação da campanha na tradicional Escola Estadual Veiga Cabral, onde foi ministrada uma palestra para mais de oitenta participantes da Escola Estadual Eliza Brito da Costa, Polo da Universidade Federal do Amapá.

A equipe da OTLA chegou ao município de Calçoene, no dia 23, e a primeira parada foi na Escola Estadual da Comunidade do Calafate, situada na BR 156. A programação da campanha reuniu aproximadamente duzentos e cinquenta participantes da Escola Professor Sílvio Elito de Lima Santos. Além das instituições de ensino da cidade, como a Escola Lodo D´Almada, as informações também chegaram às escolas das comunidades do Breu e Flexal.

Há 32 anos na Eletrobras Eletronorte, o técnico em Telecomunicações Francisco Bessa, participou pela primeira vez da campanha contra as queimadas, em substituição ao colega Antônio Carlos dos Prazeres, da equipe do Meio Ambiente. “Foi uma experiência muito boa. Como já faço um trabalho social fora da Empresa, percebi que esse é também um trabalho de responsabilidade ambiental e social da Eletronorte. Gosto de trabalhar com a sociedade e com escolas, repassando e recebendo conhecimentos sobre a importância e os próprios riscos que a eletricidade traz. Por isso precisamos conscientizar as pessoas para saber usar e não desperdiçar”, afirmou.

Escola Municipal Goiás inova no coração da educação

Na região metropolitana, na divisa entre as cidades de Macapá e Santana, distrito do Coração, por onde passam dois circuitos de transmissão, a equipe da OTLA testemunhou uma das melhores participações de crianças e adultos na campanha deste ano. Foi na Escola Municipal Goiás, que inclusive alcançou nos últimos dois anos a meta do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) para o município de Macapá.

Em 2016 a escola alcançou a nota 4,4, e em 2017 a pontuação foi de 4,6, meta planejada para quatro anos. O diretor Belcivaldo de Matos, também participou do evento e mostrou que além de outros projetos de sucesso, a escola criou os Guardiões Ambientais, que conta duzentos alunos em um universo de quinhentos estudantes.  “Todo aluno quer ser guardião do meio ambiente, ajudar na horta comunitária e participar dos nossos projetos, é bem-vindo”, destacou o diretor da Escola Goiás. Na conclusão da programação festiva as crianças cantaram o hino do município de Macapá, ao toque do tambor de Marabaixo, a mais original manifestação folclórica do Amapá.

Palestras interativas plantam sementes da preservação

Uma das conversas mais interativas ocorreu na Escola Josefa Jucileide, no bairro Nova Esperança, vizinha da Subestação Santa Rita, em Macapá. Os questionamentos feitos pelas crianças e adolescentes chegaram a surpreender a equipe da OTLA. Uma das perguntas mais frequentes feita pela garotada foi sobre a brincadeira de soltar pipas.  “Nós explicamos os riscos existentes na brincadeira e orientamos as crianças que devem pedir aos pais para levarem os filhos para soltar pipas nas praças, longe das torres e linhas de transmissão e das redes elétricas das ruas onde moram. Percebemos também que quase não existem mais acidentes e depredações nas linhas de transmissão”, disse Góes.

A professora Raquel, da Escola Estadual Josefa Jucileide, agradeceu a presença da equipe da Eletrobras Eletronorte na escola. “Recebemos informações importantes sobre como prevenir acidentes causados pela energia elétrica e também aprendemos como economizar energia. Nossas crianças aproveitaram a oportunidade para fazer perguntas e aprender mais, por isso somos muito gratos por este trabalho”, afirmou a educadora.

De acordo com a equipe da campanha contra queimadas, esse trabalho mostra  as diferenças existentes entre as cidades, entre as escolas e até mesmo entre as diferentes gestões. O importante, no entanto, é constatar o envolvimento e o esforço da sociedade em favor da prevenção e da luta diária pela sustentabilidade.

(Agência Eletronorte/Amapá)

Sobre o autor  ⁄ Michele Silveira

Sem comentários