Eletronorte comercializa R$ 997 milhões em leilões de energia existente

A Eletrobras Eletronorte foi a empresa com a maior quantidade de energia vendida nos leilões de Energia Existente A-1 e A-2 realizados pela  Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na sexta­-feira, 22, na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), em São Paulo. Os certames resultaram na contratação de uma garantia física de 711 MW médios e movimentaram um total de R$ 2,19 bilhões. A Eletronorte foi responsável pela comercialização de R$ 997,037 milhões.

No Leilão A-1 foram negociados 288 MW médios em energia elétrica, totalizando R$ 895,4 milhões em contratos para fornecimento a partir de 1º de janeiro de 2018 até 31 de dezembro de 2019. Já no Leilão A-2 foram contratados 423 MW médios para início de suprimento em 1º janeiro de 2019 até 31 de dezembro de 2010, movimentando R$ 1,29 bilhão. Os leilões do Ambiente de Contratação Regulada (ACR) são realizados pela Aneel e CCEE para atendimento às necessidades de mercado das distribuidoras.

No primeiro leilão, a Eletronorte negociou 175 MW médios de energia ao preço de R$ 177,99/MWh, sendo o maior preço do leilão, com um deságio de 17,98% do preço inicial fixado em R$ 217,00/MWh, com uma receita de R$ 544,717 milhões.

Para o segundo produto, com fornecimento para o ano de 2019, a Eletronorte vendeu 147 MW médios de energia, ao preço de R$ 175,00/MWh, sendo também o maior preço do leilão, com deságio de 9,33% do preço inicial de R$ 193,00/MWh. A receita neste certame totaliza R$ 451,319 milhões.

A principal fonte geradora da energia comercializada pela empresa é a Usina Hidrelétrica Tucuruí e esses resultados são muito importantes para reforçar o caixa da Empresa, avalia o superintende de Comercialização da Eletronorte, Tercius Murilo Quito. “Considerando os contratos que encerram em 31 de dezembro deste ano, poderemos recompor boa parte da receita de venda de energia. O resultado final do Leilão agregará à Eletronorte uma receita total de mais de R$ 997 milhões.”

O superintende acrescenta que, “além de reforçar o caixa da empresa, esses contratos são securitizáveis, ou seja, podem ser empenhados como garantia a financiamentos e empréstimos”.

Dez concessionárias de distribuição compraram energia no certame A-1, com destaque para a RGE (34% do total negociado), Eletropaulo (28%) e Coelba (12%). No leilão A-2, doze distribuidoras compraram energia, com destaque para a Coelba (30% do total negociado), Eletropaulo (17%) e Cepisa (12%).

Agência Eletronorte, por César Fechine